Goioerê, sábado, 24 de junho de 2017 Trocar cidade

Policial

10/06/2017 | Concebido por Umuarama

Policia Ambiental de Umuarama recupera lancha furtada em Porto Camargo

Policia Ambiental de Umuarama recupera lancha furtada em Porto Camargo

Nesta sexta-feira, 09, por volta das 06:00h, a equipe de policiais ambientais de Umuarama durante patrulhamento foi acionada por transeunte que informou que o barracão da Marina Lenz estava aberto com uma lancha na rua, aparentando estar abandonada, a equipe deslocou até o local e contatou o proprietário da Marina que chegou em seguida, após breve checagem o mesmo informou que uma lancha cor branca motor 60HP havia sido furtada.

Em continuidade a equipe seguiu os rastros que os levou até o Rio do Veado passando por dentro de uma roça de mandioca, já no rio do Veado foi localizada a carreta da lancha.

A equipe então, com o barco vtr 40HP adentrou, em diligência, ao Rio do Veado onde localizou a lancha atracada. A equipe trouxe a lancha até a rampa do Porto Camargo e posteriormente a encaminhará à Delegacia de Polícia Civil de Icaraima para as providências necessárias.

O pelotão da Polícia Ambiental de Umuarama esta sob o comando o 1º Tenente Alcimar e faz parte da 3ª CIA de Maringá, quem tem como Comandante o Capitão Buski, o pelotão de Umuarama tem abrangência de 39 municípios, Rios Paraná, Paranapanema, Xambre, Ivai, Piquiri entre outros menores.

 

 

Conheça mais sobre a história da Polícia Ambiental no Paraná.

Histórico

O Batalhão de Polícia Ambiental Força Verde (BPAmb-FV) é uma unidade especializada da Polícia Militar do Paraná criado em 04 de abril de 1957, com a denominação de Corpo de Polícia Florestal, pela Lei Estadual nº. 3076, regulamentada pelo Decreto nº. 5651 de 19 de julho de 1957 e teve suas atribuições definidas através da Lei n° 6774/76. Era vinculada, institucionalmente, a Secretaria de Estado de Segurança Publica, possuindo 374 Policiais Militares Florestais, distribuídos em 22 postos no território paranaense. 


Dentre suas inúmeras atribuições, originárias ou decorrentes de convênios, destacam­-se:

  • Executar o policiamento ostensivo de forma preventiva ou repressiva, com a finalidade de coibir e dissuadir ações que representem ameaças ou depredações da natureza;
  • Zelar pelo cumprimento da legislação ambiental de defesa da flora e fauna silvestre observando os dispositivos das Leis Federais e Estaduais, bem como as Portarias e Resoluções em vigor;
  • Autuar os infratores ambientais, instrumentalizando, ainda, o Ministério Público nas ações civis de recuperação dos danos provocados contra a natureza;
  • Realizar prisões de infratores, que sejam flagrados no cometimento de crimes ambientais e encaminha-los a presença da autoridade policial, para a lavratura do auto de prisão em flagrante delito e ou inquérito policial, bem como prestar as devidas informações que, posteriormente, se façam necessárias;
  • Orientar a população acerca da legislação ambiental e da importância do seu cumprimento, relacionando-a com a necessidade de criação, conservação e proteção das Unidades de Conservação.
  • Na atuação preventiva, o Batalhão vem desenvolvendo programas de educação ambiental junto à comunidade, com a elaboração e veiculação de cartazes, panfletos com textos educativos, realizando, constantemente, palestras em estabelecimentos de ensino, exposições técnicas a entidades públicas e privadas com participação popular e, ainda, orientações ao público em geral, principalmente, nas áreas naturais protegidas.


A criação de uma Guarda Florestal, na Secretaria Estadual de Agricultura (SEAG), estava prevista na Lei n° 2.509, de 23 de novembro de 1955, quando a Divisão Florestal foi anexada ao Departamento de Produção Vegetal. A efetivação dessa Guarda nunca ocorreu, pois pressupunha a criação de uma estrutura autônoma de fiscalização. A competência pelo policiamento florestal foi então repassada para a Polícia Militar, com vinculação à SEAG.

A Lei n° 3.076, de 04 de abril de 1957, previu seu efetivo, inicialmente como uma Companhia, mas foi somente a partir de 18 de setembro de 1962 que a Polícia Florestal passou verdadeiramente a existir; após a especialização de um grupo de oficiais, e a conclusão de um curso especial para os praças. Os primeiros destacamentos foram nos Parques Estaduais de Vila Velha, Campinhos, e Monge da Lapa.

Em 1967 a corporação passou a denominar-se Corpo de Polícia Florestal.

Em 24 de agosto de 1970, por um acordo com o Governo Federal, a Polícia Florestal assumiu a responsabilidade pelo Parque Nacional do Iguaçu, na cidade de Foz do Iguaçu. Assumindo também nesse mesmo ano a Floresta Nacional de Irati, na cidade de Irati.

Em 1974 passou a designar-se Batalhão de Polícia Florestal. Recentemente, passou a denominar-se como Batalhão de Polícia Ambiental.


 

Reestruturação do Batalhão de Polícia Ambiental


A nova designação da Unidade de Polícia Militar, responsável pela tutela do meio ambiente no nosso Estado, e a primeira grande novidade, ou seja, passaria a denominar-se Batalhão de Polícia Ambiental Força Verde. Essa adequação conduz à nova realidade mundial, quanto à preservação e conservação do meio ambiente, deixando a terminologia de Polícia Florestal para uma mais abrangente, que é a de Polícia Ambiental. 

A ampliação do seu organograma de duas para quatro companhias, 3ª Cia. Policial Ambiental em Guarapuava e a 4ª Cia Policial Ambiental em Foz do Iguaçu. Em 2013, a Companhia de Londrina teve sua área diminuída momento em que foi criada a Companhia Ambiental de Maringá atendendo a divisão territorial dos Comandos Regionais de Polícia Militar. Essa readequação possibilitou operacionalizar a fiscalização, a orientação e a coordenação sobre a política de meio ambiente para o Estado do Paraná em cinco regiões (1ª - Litoral, 2ª- Londrina, 3ª - Maringá, 4ª - Guarapuava e 5ª - Foz do Iguaçu).

O atual Quadro Organizacional contém 575 (quinhentos e setenta e cinco) Policiais Militares Ambientais.

O Batalhão de Polícia Ambiental tem envidado todos os esforços na preservação e manutenção do meio ambiente paranaense. Pode-se citar como exemplo, que o Estado do Paraná conta com o segundo menor litoral do país, porém, é o mais bem conservado do Brasil e com Mata Atlântica Primária reconhecido pelos meios de comunicação. A sociedade tem apoiado sobremaneira através da formalização de denúncias.

 

Fonte: UMUARAMA | CIDADE PORTAL | BpAmb-FV - Umuarama

Policia Ambiental de Umuarama recupera lancha furtada em Porto Camargo
Policia Ambiental de Umuarama recupera lancha furtada em Porto Camargo
Policia Ambiental de Umuarama recupera lancha furtada em Porto Camargo

OPINE!

 

CIDADE PORTAL
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso.